Comerciantes já sentem melhorias com revitalização da Praça da Sé 

Lojistas da região relatam redução no número de assaltos e aumento no fluxo de consumidores, e cobram mais divulgação das intervenções realizadas como forma de atrair cada vez mais pessoas para o centro da cidade

Pouco mais de quatro meses desde que começaram as ações de revitalização da Praça da Sé pela Prefeitura de São Paulo, os lojistas da região já começam a sentir os efeitos das melhorias realizadas.

Aumento do policiamento, retirada das barracas de moradores de rua e limpeza diária do lixo são algumas das medidas adotadas para trazer de volta o público à região, cujo comércio andou muito prejudicado nos últimos anos.

Para o presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Roberto Mateus Ordine, a Praça da Sé, o Marco Zero da cidade, deve ter total atenção e cuidado, tanto como atração turística como de comércio.

“Precisamos resgatar sua importância como ponto de encontro da população. Lá tivemos espetáculos memoráveis e manifestações históricas, como as Diretas Já e a conquista do Mundial de 1958, além de tantos outros eventos marcantes na história de São Paulo”, lembrou. 

OTIMISMO

A proprietária da loja Nelson das Bolsas, Maria Edila Gonçalves, comemora as recentes ações da Prefeitura e acredita que, hoje, o ambiente está mais bonito, iluminado e acolhedor. Em sua loja, a comerciante já sente uma melhora de retorno dos clientes em 25%.

“Vejo mais policiamento e a limpeza melhorou muito. Isso tem feito o movimento aumentar, apesar de ainda estar longe do que era antes”, afirmou.

A lojista, conhecida como dona Edila, acredita que ainda há pouca divulgação das melhorias na Praça da Sé e muita gente nem sabe das intervenções e acaba não indo à região por medo.

“Espero que, com maior conhecimento da população, nós, lojistas, possamos começar a ter nossos clientes de volta”, disse.

Inaugurada há 62 anos na região da Sé, a loja viu seu movimento cair consideravelmente na pandemia. No entanto, a situação ficou insustentável no início deste ano, lembrou dona Edila.

“Nunca vi uma queda tão brusca de clientes e um cenário tão caótico na Sé. Vimos assaltos na rua várias vezes por dia e isso afastava nossos clientes”, lamentou. 

A Nelson das Bolsas tem duas unidades na Rua Direita desde 1961, fundadas pelo casal Nelson, já falecido, e Maria Edila.

MAIS DIVULGAÇÃO

Outra loja da região que já sente os efeitos das melhorias com o retorno dos consumidores é a Flor de Liz Essências, na Rua Anita Garibaldi.

A gerente Maria Eduarda Pinheiro conta que, há cerca de um mês, ela tem percebido mais movimento na loja e na região como um todo.

Quando não tinha muito policiamento e muitas pessoas dormiam nas calçadas, ela conta que via constantemente clientes sendo assaltados por ladrões a pé, que agiam em grupos.

“Eram celulares, carteiras, joias e relógios, basicamente, e muitas vezes, bolsas inteiras. Isso criou um medo na população que não é tão fácil de reverter, mas temos esperança”, disse Maria Eduarda.

Na opinião da gerente, se a mídia e a Prefeitura intensificassem as ações de divulgação para a população, seria mais fácil para a Praça da Sé voltar a ser um lugar movimentado e seguro para o pedestre.

“Precisamos de ações constantes para o público saber que está muito mais tranquilo fazer compras na região”, concluiu.

O vendedor Clailton Rutter, que trabalha na Ótica Knirps, que fica na Rua Quintino Bocaiúva há 25 anos, diz que quase não vê mais roubos no entorno da Praça da Sé. De acordo com ele, o movimento nas ruas tem melhorado a cada dia.

Mas o volume de clientes na ótica, no entanto, ainda é tímido.

“A gente acredita que as pessoas ainda desconhecem as melhorias e ainda têm medo da região. Dois meses ainda é pouco para acabar com esse carma que a Praça da Sé contraiu. Espero que, em breve, possamos ter o movimento de consumidores de antes”, disse Rutter.

REVITALIZAÇÃO

As equipes da Subprefeitura Sé participam de uma operação conjunta com órgãos da Prefeitura e do governo do Estado (Polícia Civil e Militar) para melhoria da zeladoria e segurança no local com o apoio da Guarda Civil Metropolitana.

As ações são precedidas de abordagens da área social, de saúde e demais procedimentos conforme decreto municipal nº 59.246/2020.

Segundo a Prefeitura, os investimentos na Praça da Sé têm sido feitos de forma permanente e integrada em várias frentes, mas sem deixar de lado os cuidados com os mais vulneráveis.

Por meio de um trabalho socioeducativo, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) envia frequentemente equipes de orientadores socioeducativos do Serviço Especializado de Abordagem Social (SEAS) para atender pessoas em situação de rua e oferecer atendimento nos seguintes equipamentos do Programa Redenção: SIAT II, duas unidades de Atendimento Diário Emergencial (ATENDE) e os Centros Temporários de Acolhimento (CTA).

Quanto à limpeza, diariamente, é retirada aproximadamente 1,3 tonelada de lixo da Praça.

Além das habituais lavagens de via, monumentos e escadarias que são executadas frequentemente, as grelhas e bocas de lobo também passaram por inspeção e remoção de resíduos com a limpeza de 140 bocas de leão; 8 poços de visitas; 43 metros de ramais e 12 metros de galerias limpas.

Em maio, quando as ações tiveram início, o subprefeito da Sé, Alvaro Camilo disse que estava otimista com o resultado dessas ações na Praça da Sé.

“Sabemos que a população que vive ou trabalha no Centro de São Paulo tem notado a diferença em transitar pela região”, disse.

Parte dessas ações só puderam ser realizadas devido ao cercamento provisório, com a instalação de gradis móveis para proteger os jardins e os locais que estão recebendo as intervenções.

#VEMPROCENTRO

A Associação Comercial de São Paulo acredita no resgate do centro histórico para a autoestima e pertencimento do paulistano.

Em junho deste ano, entidade decidiu apoiar a campanha #VemProCentro com diversas ações.

Para marcar a revitalização da Praça da Sé, será realizado um evento no local em 16 de setembro, das 9h às 17h.

Haverá apresentações de percussão e ginástica pelos grupos Tayko, Taissô e Bunkyo, aula de dança para idosos com o professor Ricardo Monteiro e shows com a cantora Chris Pires e a Banda da Comebi.

A campanha #vemprocentro ainda vai trazer uma série de vídeos feitos com empresários que apostaram nessa região da capital paulista e que agora buscam inspirar outros empreendedores a seguirem os mesmos passos.

Imagem crédito: Luiz Carlos/DC