Casa de Francisca, a ‘menor casa de shows de SP’, ficou maior

As pessoas se aglomeraram no calçadão do Largo da Misericórdia, no centro histórico da capital paulista, na última sexta-feira (8), para acompanhar uma série de shows gratuitos oferecidos pela Casa de Francisca, famosa casa de espetáculos do local que estava inaugurando novos espaços.  Habitualmente chamada de “menor casa de shows de São Paulo”, a Casa […]

As pessoas se aglomeraram no calçadão do Largo da Misericórdia, no centro histórico da capital paulista, na última sexta-feira (8), para acompanhar uma série de shows gratuitos oferecidos pela Casa de Francisca, famosa casa de espetáculos do local que estava inaugurando novos espaços. 

Habitualmente chamada de “menor casa de shows de São Paulo”, a Casa de Francisca ficou maior. Funcionando desde 2016 no primeiro andar do Palacete Tereza, ela expandiu para o térreo, onde está instalando um bar voltado para a rua, e também um cineteatro no porão.

Os novos espaços ainda estão em processo de implantação. Os shows do último dia 8, que contaram com as apresentações de Mônica Salmaso, Juçara Marçal, Lia de Itamaracá e Alessandra Leão, foram pensados para permitir que o público já conhecesse as futuras instalações, já podendo interagir com elas. 

O bar, voltado para o Largo da Misericórdia, terá som de vinil todos os finais de tarde, de segunda a sexta-feira. Os DJs farão uma seleção de músicas de diferentes estilos. O som será direcionado para a calçada, com a intenção de atrair pessoas que estão saindo do trabalho. Aos sábados e domingos, o espaço sediará rodas de samba e outros gêneros musicais.

A cultura da música e do vinil é muito emblemática no local, conhecido como a esquina da música de São Paulo. Os discos por muito tempo foram vendidos por lá, na Casa Bevilacqua, tradicional loja de instrumentos musicais que funcionou onde hoje opera a casa de espetáculos.

No porão, o cineteatro, além de apresentar filmes, será também um espaço para se discutir a cidade, literatura e inclusão social. Durante o dia, mesmo sem exibição, o local permanecerá aberto, como um novo ponto de encontro na cidade, um local para convivência. 

IMAGEM: Casa de Francisca/redes sociais