Centro de São Paulo ganha pacote de renovação para zeladoria

Programa prevê a instalação de 20 mil novos pontos de iluminação, 36,6 quilômetros de vias recapeadas e reforço na coleta de lixo

Não é boa a percepção que o público frequentador do Centro de São Paulo tem da região. Para a maioria das pessoas, a área central da capital é escura, suja e perigosa. É o que mostra pesquisa realizada pelo Instituto Orbis e encomendada pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A partir de entrevistas feitas com 502 frequentadores do Centro, entre os dias 10 e 17 de abril deste ano, o estudo revelou que a limpeza e a zeladoria estão entre as maiores preocupações dos cidadãos. O maior problema apontado pelos entrevistados é a falta de segurança, citada por 33% das pessoas. Em segundo lugar, aparece a limpeza (26%), seguida pela zeladoria (22%). Na tentativa de resolver essas questões, a subprefeitura da Sé trabalha um pacote de zeladoria. O programa inclui a instalação de 20 mil novos pontos de iluminação, 36,6 quilômetros de vias recapeadas e reforço na coleta de lixo.

No dia a dia, quem mais sente essas melhorias são os trabalhadores locais, que correspondem a 76% dos entrevistados pela pesquisa do Orbis. São pessoas como o gerente de restaurante José Amorim, 60 anos, que viu uma melhora na zeladoria nos últimos anos, principalmente referente à limpeza das ruas. “Você não encontra mais lixo nas vias. O caminhão da Prefeitura passa de 3 a 4 vezes aqui na rua do restaurante”, disse Amorim. “E isso acaba contribuindo para o aumento do movimento nos estabelecimentos da região”.

Sobre o pacote de limpeza para o centro histórico, a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Município de São Paulo (SP Regula) divulgou que, além da coleta regular, a região conta com a Operação Centro Limpo, serviço de coleta suplementar de resíduos em três turnos (das 6h às 14h, das 14h às 22h e das 18h às 5h). O programa inclui o trabalho de fiscalização e conscientização dos comerciantes, além da educação ambiental com a população da região central da cidade. Além de tudo isso, a coleta diária, que consta do plano de trabalho estabelecido pela Prefeitura, continua com a frequência normal no período noturno.

O projeto foi formatado especificamente para o Centro, por considerar diversos fatores de maior demanda na região. Entre eles, estão o descarte e a catação de resíduos de forma irregular, estabelecimentos comerciais que colocam os resíduos para a coleta pública em desacordo com a legislação e a grande quantidade de resíduos descartados irregularmente e fora do horário, o que impacta negativamente no aspecto de limpeza da região.

SENTIMENTO DE PERTENCIMENTO

No dia 14 de maio, em evento realizado na ACSP, o subprefeito da Sé, Alvaro Batista Camilo, disse que a prioridade é conscientizar e aumentar o apoio da comunidade às medidas adotadas pela zeladoria. “Há locais no Centro em que é necessário limpar de 4 a 5 vezes por dia. E quem produz esse lixo somos nós. Os moradores de rua não produzem lixo”, afirmou. “Queremos aumentar o sentimento de pertencimento dos frequentadores na região central, para que a situação de limpeza melhore”.

Outro problema citado pelos frequentadores e comerciantes é a iluminação da área. Dona da Pastelaria São Bento, Samantha Forte disse que há ruas que chegaram a passar 5 anos sem iluminação. “A rua de baixo da pastelaria ficou muito tempo no escuro. O fim da Rua São Bento ainda está bem escuro”, afirmou. “Mas vemos isso melhorando aos poucos”. O gerente de restaurante José Amorim cita outro problema. “É muito comum vermos lâmpadas nos postes queimadas. E a reposição costuma levar 2 ou 3 dias para ser feita”.

Sobre essas questões, a Prefeitura declarou que a rede de iluminação do Centro ainda passa por adequações. O pacote de ações prevê a instalação ou remodelação de mais de 20 mil pontos na subprefeitura da Sé. Apenas no triângulo histórico (área do Centro onde ficam os principais prédios históricos da cidade), será feita a eficientização de 136 luminárias, com a instalação de novos refletores em 100% dos casos, resultando em um ganho de 30% em fluxo luminoso. Também serão instalados 72 novos pontos de iluminação de destaque na Catedral da Sé e oito na Praça da Sé. Outras localidades, como Santa Ifigênia, República, Mercado Municipal, Praça Princesa Isabel, entre outros, já receberam ou ainda receberão mais de 2 mil novos pontos ou remodelações. Há, ainda, previsão de melhorias e novos pontos em projetos atualmente em execução na Praça do Patriarca, Viaduto do Chá e Viaduto Santa Ifigênia e entorno.

As solicitações de manutenção de iluminação pública podem ser feitas pelo telefone 0800 779 0156 e, segundo a prefeitura, os pedidos são atendidos, em geral, no prazo de 24 horas, mas podem ser feitos em tempo maior nos casos de quedas de árvores, furtos de cabos ou fenômenos naturais.

No evento da ACSP, o secretário-chefe da Casa Civil, Fabrício Cobra Arbex, afirmou que a iluminação é de extrema importância na região central da cidade, para gerar uma sensação maior de segurança. “Estamos trabalhando com o Governo do Estado para tornar a região central um local mais seguro. Isso não somente durante o dia, mas também durante a noite, período em que a percepção de segurança é menor”, disse Arbex. Já o Secretário Municipal de Turismo, Rodolfo Marinho, afirmou que a iluminação é um dos seis principais pilares para um turismo ativo em grandes cidades, ao lado de zeladoria, segurança, desenvolvimento econômico, cultura e esporte.

NOVOS CALÇADÕES

Pensando em melhorar a estrutura para suportar a rede de logística que utiliza a área central da cidade, a Prefeitura planeja 63 mil metros quadrados de calçadões do Triângulo Histórico, abrangendo 23 ruas. As obras foram iniciadas em 2022 e vão melhorar as condições de mobilidade para mais de 2 milhões de pessoas que circulam na região, diariamente. De concreto proposto, o novo calçamento é mais resistente e atende às necessidades estruturais de veículos como caminhões de limpeza urbana e carros-fortes.

Além disso, a Prefeitura está em processo de instalação de uma nova infraestrutura subterrânea de drenagem e de galerias técnicas para ordenamento das redes de telecomunicações. O modelo representa mais economia e agilidade na execução de serviços de manutenção e contempla nova sinalização turística, mobiliário urbano, áreas de convivência adequadas, iluminação funcional e cênica de edifícios históricos. O pacote de melhorias previstas para o Centro inclui, ainda, o recapeamento de todas as vias previstas no triângulo histórico, trabalho que já foi concluído. Com tudo isso, a Prefeitura e o Governo do Estado esperam produzir maior percepção de segurança para os frequentadores do Centro, levando mais pessoas a circular pela região e fomentando não apenas o comércio local, mas também os roteiros turísticos e gastronômicos.

Crédito texto: Victor Marques

IMAGENS: Prefeitura de São Paulo